Todo mundo tem um sonho ou preocupação financeira referente ao futuro. O desejo de ter uma boa renda quando se aposentar, a compra de um veículo ou de um imóvel, uma viagem para o exterior.

Mas para atingir esse objetivo é preciso saber investir. O termo poupar, tão comum entre os brasileiros, normalmente é mal interpretado, pois a maioria o entende como o ato de colocar dinheiro na poupança.

E não é nada disso. Poupar é saber escolher bons produtos financeiros para investir. Mais do que isso, poupar é investir em diferentes ativos para garantir boa rentabilidade com o menor risco possível.

Produtos de renda fixa são seguros, mas têm rentabilidade muito baixa. A renda variável pode proporcionar alta rentabilidade, mas por ser volátil, pode culminar em grandes perdas financeiras. Já os ativos reais têm boa rentabilidade e segurança, mas não oferecem liquidez.

Vale observar que nenhum segmento de ativos é perfeito como gostaríamos. Por esta razão, a palavra de ordem é diversificar. Mas há regras (ou mandamentos) para que esta diversificação seja bem feita. Destacamos abaixo alguns deles para te ajudar. Confira!

 10 dicas para diversificar uma carteira de investimentos

  1. Saiba definir seus objetivos. O que deseja no futuro? Em quanto tempo quer atingir a meta estipulada?

     

  2. Pode até parecer cansativo, mas como as escolas não oferecem educação financeira devemos buscar informações por conta própria. Não precisa se tornar um especialista, mas conhecimentos básicos são importantes.

     

  3. Mesmo com algum conhecimento não tente escolher sozinho os ativos para investir. Busque ajuda de especialistas. De preferência mais de um porque isso dá mais segurança.

     

  4. Saiba qual é seu perfil de investidor (conservador, moderado ou agressivo) e a partir das informações obtidas trace sua estratégia, escolhendo os ativos que você considerar adequados para atingir seus objetivos.

     

  5. Diversifique seu investimento por tipos de ativos: renda fixa, renda variável e também ativos alternativos (reais).

     

  6. Também diversifique dentro de cada segmento de ativos. Por exemplo, ao alocar parte dos recursos em renda fixa é interessante deixar o dinheiro distribuído em produtos diferentes. O mesmo ao investir em ações. Pulverize em papéis de diferentes empresas e setores. No caso de ativos reais, aplique parte em ativos judiciais, imobiliários, crédito empresarial, royalties de música.

     

  7. Diversifique os prazos. Os investimentos prometem retorno em épocas distintas. Dependendo do ativo, o retorno pode ser mensal. Mas há aplicações, como em produtos de previdência privada, que exigem anos de espera para dar o retorno esperado.

     

  8. Tenha uma reserva de emergência, pois a vida é cheia de imprevistos e é importante ter de onde tirar dinheiro sem que haja perdas. Para fazer essa reserva escolha uma aplicação em renda fixa que mescle boa rentabilidade (dentro dessa classe) com boa liquidez.

     

  9. Tenha disciplina. Invista de forma regular. Há quem consiga, com um único investimento, obter excelentes resultados. Mas isso não acontece com todo mundo. O ideal é fazer aplicações periódicas e evitar saques desnecessários de ativos onde isso é possível.

     

  10. Não tenha preguiça. Acompanhe os resultados dos ativos escolhidos para investir. De tempos em tempos revise sua carteira, analise ativo por ativo e faça mudanças onde for necessário.

Ao seguir esses passos, certamente o investidor obterá bons resultados financeiros e conseguirá realizar seus sonhos. Na hora de investir, procure a Hurst Capital, A primeira plataforma de ativos alternativos do país, tem boas oportunidades em ativos reais para ajudar em sua estratégia de diversificação.