No artigo de hoje, trouxemos uma entrevista realizada pela Morningstar com Tom Becket, hoje CIO da Punter Southall Wealth, que mostra como ativos alternativos superam períodos de crise, como a de 2008.

Na entrevista, foram abordados temas como, superação da crise de 2008, ativos alternativos que mais se destacaram e muito mais. Confira o resumo com tradução livre da entrevista, logo abaixo.

Há doze anos não sabíamos que, ao virar a esquina, a crise financeira estava prestes a ocorrer. Mas qual foi o impacto nos ativos do mercado durante e após a crise de 2008?

Ativos em destaque

As ações americanas que foram obviamente supervalorizadas significativamente em 2007 foram atingidas fortemente em 2008 e 2009, mas se recuperaram quase 300% desde a profundidade da crise financeira, tornando-as um dos melhores desempenhos nos últimos 10 anos. Então talvez, se os investidores tivessem se acalmado, provavelmente teriam sete ou oito anos maravilhosos.

Em 2007 e 2008, as coisas que estavam mais em evidência eram commodities , ações de mercados emergentes, ativos mais alternativos. Mas demorou mais tempo para que essas tendências se desenrolassem.

Algumas ações tradicionais e commodities tiveram um período incrivelmente ruim em 2008, se recuperaram um pouco até 2011 e, desde então, têm lutado. Portanto, as commodities estão provavelmente entre os piores desempenhos.

As ações de mercados emergentes são sintomáticas dos altos níveis de volatilidade que vimos na última década, absolutamente odiados e absolutamente em evidência nos últimos anos, até o início de 2016.

E, ao contrário do enorme entusiasmo, as ações europeias estiveram muito debilitadas no final de 2015 e agora começaram a se recuperar. Mas talvez esteja trazendo a retaguarda dos mercados de ações que vimos na última década.

A superação depois da crise

Os ativos alternativos tiveram um bom desempenho nos últimos 10 anos, em particular desde o final de 2009 e os fundos mais recentes em algumas classes de ativos no final de 2015, porque certos ativos eram baratos. Tem sido uma maré crescente que flutua em todos os barcos, mas certamente houve vencedores e perdedores entre as principais classes deles.

Vamos colocar em um contexto mais de curto prazo: 2016 foi um ótimo ano para ativos alternativos, já que esses ativos eram baratos. Em 2009, as condições econômicas estavam melhorando e sem dúvida foram as atividades agressivas e proativas de grande porte. Lembrando que foram realizadas pelos Bancos centrais de todo o mundo, que inflaram a maior parte dos preços dos ativos no geral.

Nota do autor

A ascensão de ativos alternativos se deu em meio da crise do subprime, naquela época assim como hoje, aparece a necessidade de ativos diferentes que não estão correlacionados com o mercado financeiro. E, em uma eventual queda  sua rentabilidade não reduziria, mas sim, se manteria estável ou crescente.

Esta foi a Entrevista resumida com tradução livre feita pela Morningstar para mostrar os impactos da crise de 2008. Se conhecer ativos alternativos que estão superando a crise de hoje, acesse nosso site.

Para ver a entrevista na íntegra acesse: https://www.morningstar.co.uk/uk/news/160830/which-investments-best-survived-the-financial-crisis.aspx