O que é economia real?

Você talvez já tenha ouvido falar em economia real e nem imagina que o termo está bem mais próximo do que imagina. Economia real é tudo o que impacta diretamente a sociedade e gera riqueza.

A economia real é muito diferente da economia que, usualmente, ouvimos no mercado financeiro, onde os ganhos se dão por meio de ativos que trocam de mãos entre investidores e esses recebem algum tipo de remuneração por essa operação.
Na economia real os ganhos vão além do investidor, eles envolvem a sociedade ao seu entorno.

Conhecendo a economia real?

Vamos imaginar que você tenha um terreno na praia e resolveu construir um restaurante. Para isso, você contratou um engenheiro e um arquiteto para fazerem o projeto. Após, foi necessário contratar mão de obra específica como pedreiros, encanadores, pintores e afins. Essas pessoas que foram contratadas movimentaram a economia com o dinheiro que você está pagando pelos serviços prestados.

O engenheiro resolveu viajar, ele gerou lucro para a agência de viagem, para a vendedora que o atendeu, além da companhia de aviação e o hotel onde ficou hospedado. Já os pedreiros e os encanadores, por exemplo, trabalham cerca de oito horas no empreendimento e contribuem com a economia local, pois muito se utilizam o comércio ao redor.
Isso é economia real e acontece porque o investimento inicial, aquele que você fez quando resolveu construir um restaurante, foi se propagando de forma positiva dentro da sociedade.

Isso não ocorre quando falamos em mercado financeiro, pois os investimentos são focados em títulos públicos, ações, renda fixa, entre outros…Tudo um pouco abstrato.

Investindo na economia real

O investimento em economia real é uma boa opção para diversificar sua carteira de investimentos, contribuir com a sociedade e, ainda garantir uma boa rentabilidade.

Mas, além de investir num negócio que gera retorno para a sociedade, existem outras formas de investir na economia real como direitos creditórios, recebíveis, ativos judiciais etc, assim como via crowdfunding.

No caso do ativo judicial ele pode ser privado ou público, como os precatórios: ordens judiciais de pagamento emitidas pelo tribunal estadual ou federal em favor de uma pessoa jurídica ou física. Ao ganhar a ação, o detentor do título passa a ter direito de receber o valor devido, certo.

Acontece que o prazo de pagamento desse precatório, geralmente, não é imediato. É aí que mora a oportunidade de ganho. O detentor dessa dívida pode precisar do dinheiro mais imediatamente e, neste caso, ele coloca o título à venda. Ou seja, ele repassa a dívida que tem a receber para alguém que não tenha tanta pressa em receber. Em contrapartida, o interessado adquire o precatório com um deságio. Além desse porcentual de ganho, o novo portador ainda recebe a atualização monetária do valor de face até a data de pagamento.

No caso do crowfunding, um exemplo é o imobiliário, onde o investidor coloca seu dinheiro em um único empreendimento. Nesta modalidade, um grupo de investidores se reúne com o objetivo de captar recursos para determinado empreendimento. O retorno se dá a partir do valor geral de vendas.

Quer saber mais sobre ativos reais, venha conversar com a nossa equipe.

A Hurst é líder em ativos reais na América Latina.