Matéria realizada pelo site FT Adviser, jornal do Reino Unido criado em 1988, fala sobre o comportamento dos investidores relacionado aos investimentos alternativos. Onde era extremamente comum o investimento em imóveis e com o passar dos anos e com as crises, o investimento em outros setores alternativos também se tornaram comuns.

Leia o resumo com tradução livre do texto “Alternative assets can be a source of income” logo abaixo:

Desde o início da crise global, tem sido um momento desafiador para os investidores, que passaram por um período em que os seus rendimentos nos ativos tradicionais foram relativamente baixos. Mas não para por aí, outras mudanças estruturais nas classes de ativos e nos modelos de negócios das empresas também ocorreram.

À medida que os investidores ampliaram sua busca por renda, começaram também a procurar por ativos alternativos. E, por muitos anos, a compra de imóveis foi o que dominou essa classe de investimentos para a maioria dos investidores.

Nos últimos anos, no entanto, o leque de opções investimentos alternativos disponíveis para os investidores se expandiu em tamanho, profundidade e amplitude e agora abrange uma ampla variedade de classes de ativos e não somente a compra de imóveis.

Pontos chave

  • Muitos investidores procuram ativos alternativos para obter rendimentos mais expressivos;
  • Alguns destes investimentos não são muito líquidos;
  • A Infraestrutura é um dos setores alternativos que possui boas perspectivas;

Existem vários ativos reais aos quais os investidores podem se expor, sendo não só os imóveis, mas também a infraestrutura, commodities e energia renovável.

 

 

Enfrentando novos desafios

Uma vez vistos como uma área de nicho específico, os números mostram que o setor de investimentos alternativos cresceu constantemente na última década, passando de US$ 3,1 trilhões (£ 2,5 trilhões) em ativos globais sob gestão em 2008 para US$ 10,3 trilhões em junho de 2019, segundo os especialistas em ativos alternativos consultados pelo relatório Preqin. Eles também comentaram que este número deve crescer para cerca de US$ 14 bilhões em 2023.

Por muitos anos, os investimentos alternativos foram preservados por investidores institucionais ou de alto patrimônio líquido. No entanto, agora eles estão migrando para o varejo convencional, enquanto outros, confrontados com mercados financeiros voláteis e lacunas na economia de aposentadoria, buscam diferentes fontes de renda e retorno.

 

A possibilidade de investir em ativos alternativos

Os gestores de investimento possibilitaram essa tendência, tornando os produtos mais acessíveis, colocando as suas estratégias alternativas de investimento dentro de fundos mútuos regulamentados.

Em primeiro lugar, para os investimentos mais ilíquidos e de nicho específico, a acessibilidade também foi aprimorada através do uso de fundos de investimentos.

E em segundo lugar, esses veículos de investimentos fechados permitem que uma ampla gama de investidores acessem ativos inacessíveis, como os que vem de energia renovável, infraestrutura ou private equity, que geralmente são classes de ativos bastante ilíquidas.

Já os fundos abertos não possuem essa capacidade, razão pela qual esses investimentos alternativos têm um histórico mais impressionante de dividendos.

Nos períodos em que os pagamentos das empresas são pressionados, essas reservas de renda podem ser particularmente valiosas.

Esse foi o caso durante a crise financeira global, e esse recurso deve mais uma vez ajudar a apoiar muitas relações de confiança no ambiente atual, dada a variedade de suspensões de dividendos de muitas empresas devido a crise que estamos vivendo.

Para acessar a matéria na íntegra, acesse: https://www.ftadviser.com/investments/2020/07/16/alternative-assets-can-be-a-source-of-income/