Com a situação econômica ainda ruim e as incertezas políticas, muita gente está perguntando o que esperar do mercado de investimento em 2022. 

A Bolsa de Valores continuará com o mesmo nível de volatilidade? A Selic continuará a subir? Renda fixa voltará a ser boa opção? E a inflação? 

Bom, para a maioria dos especialistas de mercado, 2022 seguirá cheio de incertezas assim como 2021.  

Taxa Básica e Inflação mais altas 

Atualmente, a taxa Selic está em 9,25% com viés de alta. A expectativa é de que muito em breve ela chegue aos dois dígitos. 

Como a inflação está alta – ficou em 0,95% em novembro e em 10,74% em 12 meses -, o Banco Central tem subido a taxa básica de juros como forma de forçar os preços a caírem. 

Isso torna os investimentos de renda fixa atrativos. Porém, deve-se ter cautela, pois como se observa, por mais alta que esteja, a Selic ainda é menor do que a inflação. 

Desta forma, investimentos atrelados apenas à Selic, sem a preocupação de reposição inflacionária sempre estarão perdendo.  

Além disso, a expectativa é de redução inflacionária até o fim do ano que vem. O que traria a Selic para patamares menores novamente. 

Volatilidade da Bolsa de Valores 

Quanto à Bolsa, sua volatilidade é corriqueira. No entanto, em tempos de incerteza ela costuma oscilar mais para baixo. E convenhamos, incerteza é o que não falta no Brasil. 

O ano que vem será eleitoral dentro de um cenário de polarização. Projetos do governo como o que dá calote no pagamento de precatórios para criação do Auxílio Brasil, programa que substituiu o Bolsa Família, e a possibilidade de desrespeito ao teto de gastos, faz com que os investidores reduzam suas posições em ativos brasileiros. 

Isso contribuiu muito para a queda da Bolsa. Consequentemente, investidores não profissionais tendem a perder dinheiro ao investir em ações. 

Na Bolsa, mesmo com registro de perdas no seu principal índice (Ibovespa), existe a possibilidade de ótimos retornos com ações de empresas e setores específicos. 

Porém, é preciso ter bastante conhecimento e agilidade ou então ter a sorte de conseguir o suporte de uma boa corretora para investir justamente nos papéis que podem subir enquanto o mundo financeiro despenca. 

Ativos reais rendem bem e são seguros 

O ideal, em um cenário tão confuso como este, é investir em ativos reais, também conhecidos como ativos alternativos. 

Isso porque, os ativos alternativos rendem muito mais do que qualquer produto de renda fixa. Ao mesmo tempo, são muito menos voláteis do que a Bolsa de Valores. Isso ocorre porque os ativos alternativos não têm correlação com o mercado financeiro tradicional. 

Ou seja, dá para obter bons retornos com muito menos riscos. 

Entre na plataforma da Hurst Capital, maior originadora de ativos alternativos da América Latina e saiba mais sobre os produtos oferecidos, rentabilidade e formas de investir. Você só tem a ganhar com ativos reais. E sem levar sustos.