Quando o investidor compra uma ação ele quer que ela suba para ter seu papel remunerado e obter lucro, certo. Mas, você sabia que existem ações que oferecem além do retorno diário? São as ações que pagam dividendos.

Dividendos nada mais são do que uma parte do lucro registrado pela empresa que ela divide com os seus acionistas. No Brasil, a lei determina que toda empresa de capital aberto distribua 25% do seu lucro líquido aos portadores de ações. Existem companhias que pagam um valor superior a esse percentual. O montante total que será distribuído aos acionistas é definido em no estatuto da companhia, e cada acionista recebe um valor proporcional à quantidade de ações que possui.

Prazo de pagamento

O prazo para pagamento do dividendo é determinado por cada empresa, podendo variar entre trimestral, semestral ou anual. Tanto o porcentual quanto o prazo é determinado pela companhia e precisa constar no seu estatuto.

Um diferencial importante do dividendo é que o valor depositado na conta do acionista é líquido, ou seja, não é cobrado imposto de renda sobre esse montante.

Na Bolsa existem empresas que são consideradas boas pagadoras de dividendos, companhias que pagam acima de 25% do lucro líquido e que, normalmente, têm boa performance ao longo do ano. Uma forma de identificar essas companhias é verificar se são empresas maduras e se possuem um histórico de fluxo de caixa previsível.

Ou seja, você ganha com a remuneração da ação ao longo do ano e com o dividendo.

Todo acionista tem direito a dividendo?

Para ter direito a receber o dividendo a pessoa precisa ter comprado ação até a data ex-dividendo que o Conselho de Administração da companhia informar. Ex-dividendo é o limite para receber os dividendos. Por exemplo, se a data ex-dividendo da ação de uma empresa é 30 de janeiro de 2021. Isso significa que toda pessoa que tiver comprado esse papel até a abertura do pregão nesta data, terá o direito de receber esse dividendo.

Vale destacar que existem algumas formas da empresa pagar o dividendo ao acionista. A mais conhecida é o pagamento em dinheiro. Além dessa, a companhia também pode decidir pela distribuição de ações, que é o valor do dividendo transformado em ação.

Há também o dividendo especial, que é o pagamento extra e o reinvestimento de dividendos. Quando a empresa cria um programa de reinvestimento, os acionistas que optam por este modelo reinvestem automaticamente na compra de novas ações da companhia toda vez que a empresa pagar seus dividendos.