O investimento em imóveis é uma das formas mais populares de investimentos no país.

E não existe apenas um jeito de aplicar os recursos neste tipo de investimento. Há quem compre um imóvel para reformá-lo e revendê-lo com preço maior. Esse modelo de negócio é conhecido como house flipping.

Há quem diga que viver da renda de aluguel ainda é uma boa sacada. Outros, apostam nos Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) como estratégia de alocação e renda sem toda a burocracia envolvida na compra de um imóvel. 

E também pode-se investir em incorporação imobiliária. Apesar de menos popular que os FIIs ou a renda de aluguel, essa opção promete uma rentabilidade bastante atrativa por representar um investimento no momento mais lucrativo do projeto imobiliário

Se levarmos em conta as etapas de um projeto imobiliário, a incorporação é o momento anterior à venda do imóvel no estande e, por isso, é considerado o momento mais lucrativo daquele projeto. 

Isso porque o investidor estará ao lado do incorporador do projeto. Para você ter uma ideia, no momento da compra de um imóvel no estande, a maior parte do lucro do empreendimento já foi para o bolso do incorporador. 

Outro motivo que coloca a incorporação imobiliária como opção de melhor forma de investir em imóveis é a baixa burocracia envolvida na negociação.

Mas quais as vantagens e os riscos de aplicar seu dinheiro em ativos atrelados à incorporação imobiliária? Para ajudar a eliminar dúvidas, selecionamos algumas informações que trarão mais esclarecimentos sobre esse tipo de investimento.

10 mitos e verdades sobre investimento em ativos imobiliários: 

  1. É preciso ser muito rico para investir em ativos imobiliários.

Resp.: Com o surgimento das plataformas digitais os investimentos em incorporação imobiliária se tornaram acessíveis. Com apenas R$ 10 mil é possível comprar uma cota de algum tipo de empreendimento. Portanto, a afirmação é Mito 

  1. Há pagamento de imposto de renda nos investimentos em ativos imobiliários.

Resp.: a tributação dos rendimentos/lucros obtidos nesse investimento segue a regra da tabela da renda fixa brasileira que é de 22,5% (até 180 dias), de 20% (de 181 a 360 dias), de 17,50% (de 361 a 720 dias) e de 15% (mais de 720 dias). A afirmação é verdadeira

  1. Ativos imobiliários rendem em torno de 20% ao ano.

Resp.: Vamos pegar como exemplo a operação “Incorporação Imobiliária Residencial Clube Campo Belo”. A rentabilidade projetada é de 22,46% ao ano em um prazo de 18 meses. Em geral, os investimentos em incorporação imobiliária oferecem rendimento em torno desse percentual. A afirmação é verdadeira. 

  1. Investimento em incorporação imobiliária não tem correlação com o mercado financeiro porque essa modalidade é considerada ativo alternativo.

Resp.: De fato, ativos imobiliários deste tipo são descorrelacionados da Bolsa de Valores. Sua dinâmica segue um caminho próprio, por isso quem investe não precisa se preocupar com oscilações bruscas do mercado financeiro. A afirmação é verdadeira

  1. São ativos de alta liquidez.

Resp.: Ativo imobiliário é um investimento para médio e longo prazo. Por essa razão não é uma boa opção para investidores que não podem deixar seus recursos aplicados por um prazo maior de tempo. Quem investe em ativo imobiliário tem de esperar a data estipulada para saque, sob pena de perder rendimento e ainda pagar taxas. Ou seja, é um ativo de baixa liquidez. A afirmação é mito

  1. Não é possível negociar cotas de investimento em artes no mercado secundário.

Resp.: A Hurst Capital tokenizou todos os seus ativos, inclusive os relacionados a ativos imobiliários. Isso permite que o investidor negocie suas cotas, total ou parcialmente, no mercado secundário desde que seja na própria plataforma. Ou seja, a afirmação é mito

  1. Entre os riscos está o ativo imobiliário não obter valorização ou mesmo perder valor

Resp.: Antes do ativo ser originado é feito uma análise detalhada sobre seu histórico e sobre suas possibilidades futuras. No caso da Hurst, os lançamentos residenciais escolhidos para se tornarem investimentos são de empresas confiáveis, em bairros em expansão e para um público com poder de compra adequado ao tipo de empreendimento. Além disso, ninguém constrói um empreendimento novo para vender com valor igual ou menor do que seu preço de custo. Imóvel, ao contrário de outros investimentos, sempre acompanha o movimento inflacionário. A afirmação é mito

  1. Como imóvel é um investimento bastante seguro, a experiência do gestor não faz diferença

Resp.: Em qualquer tipo de investimento, a experiência do gestor é fundamental. Quando falamos que um ativo imobiliário não tem risco de perder valor, como no item 7, estamos nos referindo a ativos muito bem analisados antes de sua originação, como é o caso daqueles disponibilizados pela Hurst. Aliás, a Hurst investe nos ativos que ela mesma origina. Se seus produtos financeiros não fossem confiáveis isso não seria feito. Mas se o gestor for inexperiente e não souber avaliar pode ser que o investimento seja ruim. A afirmação é mito

  1. Ativos imobiliários são indicados para quem deseja diversificar o portfólio.

Resp.: Sim, ativos imobiliários são indicados para quem deseja diversificar seu portfólio da mesma forma que outros tipos de ativos alternativos. Mais rentável do que renda fixa e menos volátil do que ações em Bolsa é o meio termo que dá segurança ao investidor. A afirmação é verdadeira.

  1. Ativos imobiliários têm garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Resp.: O Fundo Garantidor de Crédito protege investimentos de renda fixa como CDB e Poupança, mas não protege investimentos de renda variável. E ativos imobiliários, por serem ativos reais e apesar da baixíssima volatilidade, são considerados ativos de renda variável e não são protegidos pelo FGC. A afirmação é mito

Agora que você conferiu alguns mitos e verdade sobre investimentos em ativos imobiliários, entre na plataforma da Hurst e conheça detalhadamente esta e outras operações de investimentos. Aproveite para diversificar seu portfólio e fazer o seu dinheiro render.