Se você está pensando em começar a aplicar seu dinheiro ou já tem o hábito de investir e está procurando uma nova categoria de ativos, hoje vamos te apresentar uma opção que pode ter rentabilidade em média seis vezes maior do que a da Renda Fixa. Você já pensou em investir em Ativos Alternativos? 

Essa classe de ativos não necessita do intermédio de bancos ou corretoras, já que estão fora da Bolsa de Valores.  

É como um back to basics”: como no passado, você, muitas vezes, negociava diretamente com o proprietário do ativo ou com um empresário que precisa de liquidez para tocar seu negócio. 

Porém, com a tecnologia e aparato jurídico atual, é possível realizar esse tipo de operação com maior segurança jurídica e responsabilidade financeira, através de uma análise minuciosa do ativo chamada de due dilligence. 

Caso você ainda não tenha certeza se esse tipo de aplicação combina com o que você busca, vamos listar 5 motivos para investir em Ativos Alternativos: 

1. Diversificação da carteira de investimentos com Ativos Alternativos

Diversificar investimentos é uma estratégia que busca diminuir os riscos e, assim, tornar as aplicações mais seguras. Mas como isso é feito? 

Ao aplicar seu capital em um único tipo de ativo, você fica sujeito às oscilações que aquela categoria pode sofrer.  

Diluindo os investimentos em frentes diferentes é possível ter um maior controle sobre os riscos envolvidos, principalmente porque o dinheiro não está todo em um lugar só.  

Quer um exemplo? Vamos imaginar que você esteja se preparando para uma viagem e escolha levar todo seu dinheiro em espécie.  

É bastante comum dividir esse dinheiro em vários compartimentos diferentes para o caso de algum imprevisto ou furto: um pouco na carteira, na mochila, em uma doleira ou pochete… 

Tudo isso para que, caso sua mochila seja furtada ou extraviada, por exemplo, você não perca todo o dinheiro. É assim que funciona a diversificação dos investimentos. 

Além disso, uma carteira de investimentos mais diversificada representa maior possibilidade de ganhos, já que você tem a oportunidade de se beneficiar dos bons momentos de cada uma das aplicações que escolher.  

Isso dá ao investidor a possibilidade de analisar a fundo e apostar em uma combinação que ofereça bom retorno e baixo risco.  

Combinar o investimento no mercado tradicional e aplicações em Ativos Alternativos pode ser uma boa maneira de diversificar investimentos, já que além de aplicar seu dinheiro em mais de um lugar, você também diversifica o tipo de ativo, saindo do mercado tradicional e partindo para a economia real.  

Os riscos são diferentes, mas a rentabilidade e liquidez também. 

2. Sem a volatilidade da Bolsa de Valores 

Os Ativos Alternativos se comportam de maneira diferente do restante dos investimentos – foi justamente por isso que esse tipo de operação se popularizou a partir da crise de 2008, quando investidores buscavam uma maneira mais segura de manter o capital investido.  

Por se tratar de uma aplicação inserida na economia real, os Ativos Alternativos não estão listados na Bolsa e, por isso, também não estão sujeitos às suas variações, o famoso sobe e desce. 

Ou seja: mesmo durante períodos de crise, é bem possível que você continue tendo rendimentos altos enquanto o restante mercado tradicional esteja ruim das pernas. 

Isso porque os Ativos Alternativos estão mais ligados a bens da economia real – imóveis e maquinário, por exemplo.  

Também há a possibilidade de investir em recebíveis de empresas ou títulos de dívidas do governo. Ambos também estão fora da Bolsa. 

Assim, se o seu medo ao aplicar dinheiro é essa volatilidade, que realmente assusta, investir em Ativos Alternativos em 2020 pode ser a opção ideal. 

3. Maior retorno em comparação com a renda fixa 

Investir em na renda fixa comprando títulos do governo federal é uma das maneiras mais seguras de aplicar capital no Brasil, já que dificilmente esse dinheiro será perdido.  

Por muito tempo foi também bastante rentável. Historicamente, a taxa de juros paga pelo governo era uma das mais altas do mundo, mas desde agosto de 2016 esse cenário tem mudado. 

De lá pra cá a Selic – taxa básica de juros, que mede quanto o governo paga para “emprestar” esse seu dinheiro  tem caído cada vez mais, e a crise ocasionada pela pandemia do novo coronavírus tornou as coisas ainda piores para quem investe em títulos do governo. 

Há quem diga, inclusive, que até o final do ano a Selic possa chegar a 1,5% ao ano. 

Ou seja: quem opta por aplicar em títulos como o Tesouro Direto, tem perdido rentabilidade com o passar dos anos. Há quem diga até que os tempos de taxas de juros altas realmente acabaram. 

Com isso, a alternativa é migrar para outros tipos de aplicações, e investir em Ativos Alternativos pode ser uma boa pedida. 

4. A liquidez é melhor do que se imagina 

Você pode estar pensando “tudo muito bom, tudo muito bem, mas se eu investir nisso, só vou resgatar o dinheiro daqui a anos e anos”. Por essência, podemos dizer que isso acontece, porém, não é a regra.  

Uma das classes de Ativos Alternativos que podem ter uma melhor liquidez são os empresariais originados através da compra de recebíveis. Há casos em que operações desse tipo foram liquidadas em até três meses. 

Além do curto prazo, a liquidez também pode ser aumentada através do parcelamento do pagamento do valor total.  

Os Ativos Judiciais também são um bom exemplo: tratando de precatórios, a liquidez pode ser aumentada através da compra de títulos ligados a entes públicos que realizam o pagamento conforme o tempo estimado, em um período próximo à data estimada.  

Ou você pode fazer um acordo com o ente público: estados como o de São Paulo pagam o precatório com muito mais rapidez se você topar receber 60% do valor de face. E mesmo com esse desconto o investimento em geral vale a pena.  

Em resumo, nem sempre investir em Ativos Alternativos é o mesmo que pouca liquidez. Analisando a fundo as opções de aplicações e comparando com seus objetivos, é possível encontrar uma solução próxima ou exatamente como você procura. 

5. Ativos Alternativos têm garantia da economia real

Por fim, mas não menos importante, é bom levar em conta que ao investir em Ativos Alternativos você está aplicando seu dinheiro em um bem palpável, seja ele um imóvel, uma obra de arte ou uma máquina.  

Isso quer dizer que a garantia é o próprio ativo. Diferente de uma criptomoeda, por exemplo, que da noite para o dia pode deixar de existir, isso com certeza não acontecerá com o seu Ativo Alternativo. 

As chances de perder dinheiro investindo nesse tipo de operação são muito menores porque, “se tudo der errado”, no pior dos cenários você ainda terá o ativo em si em sua  posse.