A décima nona Carta de Grandes Gestores realizada com base no relatório “Sustainability in Bond Markets Amid COVID‑19: ESG in Focus” da PIMCO, foca na crise sustentável causada pela pandemia. A empresa, que possui sob sua gestão mais de U$1,78 trilhões em ativos, explica sobre o impacto mundial do coronavírus no processo  geral de sustentabilidade. Destacando a avaliação de investimentos verdes.

Neste texto, a pandemia é evidenciada como sem dúvida a primeira crise de sustentabilidade do século 21 e provavelmente ajudará a acelerar a ação entre os investidores sobre os riscos de sustentabilidade de longo prazo. Para muitos de nós, os eventos profundos de 2020 iluminaram o quão interconectado, interdependente e vulnerável o mundo está aos desafios potenciais que a mudança climática trará.Leia o resumo das considerações com tradução livre logo abaixo:

O impacto crise sustentável de 2020

Neste ano, vimos choques no fornecimento de petróleo, uma pandemia global e protestos e manifestações em todo o mundo em relação à justiça social. A crise sustentável, inegavelmente, foi causada pelo  COVID-19 é, antes de mais nada, uma crise humanitária que está afetando desproporcionalmente os mais pobres e vulneráveis ​​do mundo. Mas também se transformou em uma crise econômica e de sustentabilidade.

A sustentabilidade tende a conquistar uma maior participação da mente na sociedade e especialmente na comunidade empresarial e de investimentos – e acreditamos que é a chave para maximizar o crescimento econômico e a resiliência a longo prazo. Um maior foco coletivo na sustentabilidade pode beneficiar os investidores no curto prazo de duas maneiras principais: primeiro, mais dados e transparência.

Em segundo lugar, o crescimento em novos instrumentos financeiros. Esperamos que 2020 seja um ano agitado para inovação e novos desenvolvimentos para os investidores.

 

O envolvimento da PIMCO com a renda fixa

Como uma gestora ativa, a PIMCO sempre acreditou no envolvimento com os emissores como parte de nossa pesquisa proprietária. O engajamento é uma parte crucial de nosso processo de três etapas para construir portfólios ESG dedicados (veja a Figura 1), e os insights e o impacto desses esforços de engajamento podem informar os portfólios de toda a empresa, além daqueles dedicados ao ESG.

O engajamento face a face é fundamental para a compreensão das abordagens dos emissores em relação à gestão e sustentabilidade. Normalmente, nos reunimos várias vezes por ano com os emissores representados nas carteiras da PIMCO e, naturalmente, eles querem saber o que pensam seus grandes investidores.

Os investidores em renda fixa também têm outra maneira de envolver os emissores para fornecer uma influência ainda mais direta: a emissão de títulos. Os emissores de títulos precisam voltar ao mercado de forma consistente, precisam constantemente se envolver com empresas que os estão avaliando e com investidores como a PIMCO, que estão comprando os títulos.

Os fatores ASG são cada vez mais importantes para muitos clientes e agências de classificação, o que está afetando diretamente o custo de captação de capital dos emissores. Portanto, de várias maneiras, os investidores em títulos podem ter mais influência do que os investidores em ações – eles certamente podem ter mais oportunidades de se envolver.

 

Desenvolvimento nos fatores sociais

Dados os eventos recentes, incluindo a pandemia COVID-19, mas também os protestos em todo o mundo sobre desigualdade e injustiça, estamos vendo um foco e dados cada vez maiores sobre fatores sociais . As principais questões sociais são a segurança dos dados, a qualidade do produto e a gestão do capital humano, mas a desigualdade é especialmente importante.

Tocando brevemente na gestão do capital humano, estamos vendo muitas empresas formalizarem sua estratégia de gestão de pessoas. Ser capaz de atrair, reter e envolver ótimos funcionários pode dar uma vantagem às empresas.

Os principais pontos de dados sociais que monitoramos incluem rotatividade de funcionários, engajamento e sentimento, bem como a formalização dessas estratégias em nível executivo. Fazemos as seguintes perguntas aos emissores:

  • Como a empresa monitora e valoriza o envolvimento, o sentimento ou outros indicadores da cultura corporativa dos funcionários?
  • Como a empresa avalia o impacto das decisões de rotatividade, dispensas e terceirização e esses relatórios são analisados ​​pelo Conselho?
  • Qual é o orçamento anual de treinamento por funcionário (tendência de 3 anos)? Como as áreas de treinamento estão vinculadas aos motores de crescimento estratégico?
  • A empresa oferece incentivos a gerentes e funcionários vinculados aos resultados de saúde e segurança? Os sistemas de saúde e segurança são certificados, por exemplo, para a série de avaliação de saúde e segurança ocupacional (OHSAS) 18001?

Esperamos ver mudanças duradouras no local de trabalho global. Considerando quantas pessoas estão desempregadas globalmente, é inevitável que o trabalho seja realocado no futuro. Muitas pessoas que foram demitidas não voltarão a trabalhar exatamente na mesma capacidade. Portanto, pode haver vantagens de longo prazo para empresas que são capazes de inovar e responder rapidamente.

As empresas que não conseguem inovar correm o risco de perder os principais talentos nesta redistribuição do capital humano.

 

Avaliações de investimentos durante a crise sustentável

Quando um novo “título verde” chega ao mercado, nossos analistas analisam dois tópicos principais:

  • Em primeiro lugar, os objetivos dos títulos verdes e o uso dos recursos realmente se alinham com a estratégia ESG da empresa?
  • Em segundo lugar, vemos evidências de um resultado positivo significativo?

Aqui está um exemplo hipotético: Uma grande empresa de serviços públicos de US $ 50 bilhões a US $ 100 bilhões não emite títulos verdes há muito tempo, principalmente porque não está buscando ativamente uma energia renovável de transição neste momento. A concessionária então emite um título verde de $ 300 milhões, com parte dos rendimentos indo para o gás natural. Nós consideraríamos isso um título verde ruim. Aqui está o porquê:

  • O uso dos recursos está indo parcialmente para o gás natural e, com base no tamanho dos recursos e da empresa, esta emissão de títulos provavelmente não está tendo um impacto positivo significativo.
  • Se este emissor também não apresentou um plano substancial para mudar para energia renovável, isso levantaria bandeiras vermelhas adicionais em nossa análise. Também buscamos o alinhamento com os padrões estabelecidos, como os Green Bond Principles (GBP) publicados pela ICMA (International Capital Market Association). A PIMCO é atualmente um dos oito investidores no Comitê Executivo ICMA GBP e SBP (Social Bond Principles).

 

Leia o relatório “Sustainability in Bond Markets Amid COVID‑19: ESG in Focus” completo e na versão em inglês:

https://global.pimco.com/en-gbl/insights/viewpoints/in-depth/sustainability-in-bond-markets-amid-covid-19-esg-in-focus?utm_campaign=pimco%5Finsights&utm_medium=social&utm_content=sf237553095&utm_source=linkedin&sc_camp=7FED56B02D114D5790748C145A782889&sf237553095=1