Na terceira carta de grandes gestores, a PIMCO, que tem sob sua gestão mais de U$1,78 trilhões em ativos, fala sobre a situação econômica mundial e como podem ser os riscos do cenário pós-covid. O relatório encerra falando em como os investidores devem agir diante desse momento.

Após a expansão econômica mais longa da história, a pandemia de coronavírus mergulhou a economia global no que poderia ser uma das recessões mais profundas, mas também mais curtas da era moderna. No entanto qualquer perspectiva agora está mais incerta do que de costume.

A gravidade da crise de saúde do COVID-19 levou governos de todo o mundo a isolar populações e reduzir radicalmente a atividade econômica e social, causando uma queda acentuada na produção e na demanda. Estamos presenciando a primeira recessão por decreto governamental da história – uma paralisação necessária, temporária e parcial da economia, com o objetivo de impedir uma crise humanitária ainda maior.

 

Resposta da política econômica

Outra diferença desta crise foi o tamanho e a velocidade sem precedentes da resposta monetária e fiscal, na medida em que as autoridades econômicas e as autoridades monetárias tentam impedir que a recessão se transforme em uma depressão duradoura.

Os bancos centrais se apresentaram como credores de última instância não apenas para os bancos, mas também para outros intermediários financeiros e até empresas não financeiras. Esse socorro veio por meio de uma série de programas de empréstimos e de compra de ativos.

No lado fiscal, muitos governos ofereceram garantias para empréstimos bancários a empresas, adiamento do pagamento de impostos, capital para programas de empréstimos dos bancos centrais, transferências diretas de renda para famílias e subsídios para empresas para melhorar a situação econômica mundial.

 

Do sofrimento à cura

Dada a magnitude das medidas de socorro e a ausência de grandes desequilíbrios econômicos reais, esperamos que a economia global passe por uma fase de intensa dor no curto prazo para uma cura gradual nos próximos seis a 12 meses, uma vez que a propagação do coronavírus esteja sob controle e as restrições sejam retiradas.

No entanto, nossa hipótese básica continua sendo uma recuperação em forma de “U” em vez de uma recuperação em “V”, já que essas restrições só devem ser retiradas gradualmente.

Além disso, o reparo dos danos mundiais às cadeias de produção levará tempo. Como consequência, após a queda na atividade econômica atualmente em curso, esperamos que o processo de chegada ao ponto mais baixo dure alguns meses após o vírus estar sob controle (o “L” no “U”), só então veremos a retomada da produção e da demanda, auxiliado pelo socorro fiscal e monetário e a eventual melhora da crise de saúde aguda, melhorando também a situação econômica mundial.

 

Os riscos: estagnação mais prolongada ou recuperação e recaída

Nosso cenário básico, contudo, pode ser desafiado se a pandemia durar mais do que o previsto ou se houver aumento da inadimplência das empresas acima das expectativas. Vemos risco de dois cenários piores: uma trajetória prolongada em forma de “L’ ou uma recuperação interrompida por uma recaída – que podemos chamar de “W”.

 

Um vislumbre do mundo pós-COVID

Acreditamos que essa crise deve deixar três cicatrizes no longo prazo:

A globalização pode ser reduzida: As empresas podem tentar reduzir a complexidade e o risco das cadeias de produção, e os governos podem usar preocupações com a saúde para restringir o comércio, turismo e migração. Empresas, setores e países altamente dependentes do comércio e do turismo podem sofrer um impacto duradouro em seus modelos de negócios.

Mais dívida pública e privada: Isso pode questionar a independência dos bancos centrais à medida que aumentarem seu envolvimento no socorro às empresas (essencialmente, um ato fiscal) e também mantiveram as taxas de juros baixas para ajudar a financiar déficits fiscais mais profundos. Se os governos continuarem suas expansões fiscais, mesmo após a crise, poderão ocasionar em inflação mais alta do que os mercados estão precificando atualmente e atrapalhar o desenvolvimento da situação econômica mundial.

Mudança no comportamento de poupança das famílias: o aumento do desemprego e maiores níveis de endividamento pessoal podem deixar as famílias mais cautelosas, além disso, os proprietários de imóveis podem querer liquidar suas hipotecas mais rapidamente. Assim, com a maior probabilidade de o excesso de poupança do setor privado aumentar ainda mais, os investidores devem se preparar para taxas de juros reais ainda mais deprimidas no horizonte secular.

Implicações para os investimentos: cautela em primeiro lugar

Os investidores devem se preparar para um cenário de investimentos um tanto diferente, já que as áreas mais frágeis do espectro do crédito global continuarão expostas nos próximos meses. Embora isso deva criar pontos de entrada mais atraentes nos segmentos de maior risco do universo de investimentos ao longo do tempo, estamos, por enquanto, mantendo a paciência e nos concentrando em oportunidades no universo de ativos de alta qualidade com baixa probabilidade de perda permanente.

Acreditamos que uma abordagem cautelosa seja justificada em um esforço para proteger contra a perda permanente de capital.

Em nossa opinião, essa abordagem inclui um foco em “duration” dos EUA; apesar do desempenho relativo expressivo, ainda vemos espaço para as taxas dos EUA caírem ainda mais se a estabilização demorar mais do que nosso cenário base. Consideramos os títulos hipotecários emitidos por agências norte-americanas (Agency MBS) e os Treasury Inflation-Protected Securities (TIPS) como ativos de alta qualidade atraentes, apesar da recente volatilidade.

 

Abordagem para investidores

Há algum tempo, temos sido cautelosos com o crédito corporativo, devido em parte a questões de valuations e funcionamento do mercado, mas agora vislumbramos uma oportunidade de adicionar exposições de alta qualidade e vencimentos mais longos, que acreditamos compensar o risco assumido.

No crédito privado, antecipamos a oportunidade de buscar prêmios de liquidez atraentes. Continuamos cautelosos com os segmentos mais fracos dos mercados de grau de investimento, high yield e empréstimos bancários.

Adotaremos uma abordagem cautelosa com relação à dívida soberana europeia e continuaremos a acompanhar de perto qualquer medida monetária e fiscal. Os mercados emergentes (ME) estão entrando nessa recessão com poucos desequilíbrios macroeconomicos importantes, mas também com capacidade monetária e fiscal limitada.

Essa dinâmica, aliada ao choque negativo persistente nos preços do petróleo, sugere a adoção de uma abordagem cautelosa em relação aos ME, além de uma avaliação de oportunidades selecionadas.

 

Para ler o relatório na íntegra, acesse:

https://www.pimco.com.br/pt-br/insights/blog/key-takeaways-from-pimcos-cyclical-outlook-from-hurting-to-healing/?utm_campaign=brazil_2020&utm_medium=social&utm_content=post_3_april_cyclical=linkedin_fa_audience&