Esta 21° Carta de Grandes Gestores traz a tona o relatório “Assessing China’s “Structural” Monetary Policy” da PIMCO, empresa que possui sob sua gestão mais de U$1,78 trilhões em ativos, falará sobre a atual Política Monetária da China, que leva em conta as estratégias e o ambiente geopolítico chinês.

Plano para a política monetária chinesa

O objetivo econômico abrangente da liderança da China é transformar seu antigo modelo de crescimento em um caminho mais sustentável. E assim, enfrentar os desafios de longo prazo causados pelo envelhecimento da população, queda da produtividade e cada vez menos espaço para estímulos de política monetária.

Políticas em andamento, como rebalanceamento, desalavancagem e “Made in China 2025”, que são projetadas para alcançar essa transição. Elas provavelmente permanecerão em vigor, com alguns detalhes de implementação a serem ajustados ao longo do caminho.

A China revelou recentemente uma estratégia econômica de “dupla circulação”. Ela provavelmente será incluída no próximo 14º plano quinquenal da China (2021-2025) para orientar as políticas econômicas do país. A ideia é que a China dependa predominantemente de seu sistema econômico doméstico (“circulação interna”), que será apoiado por mercados internacionais (“circulação externa”).

 

 

Fechando as portas?

Embora alguns possam ver a tentativa de longo prazo da China de reduzir sua dependência dos mercados externos e a tecnologia revertendo para uma política de portas fechadas, acreditamos que reflete um ajuste estratégico em resposta a um ambiente geopolítico mais contencioso.

À medida que as tensões EUA-China aumentam e o protecionismo aumenta em todo o mundo, a demanda externa está se tornando menos confiável, então a China está se concentrando em estimular a demanda interna para absorver sua enorme capacidade de produção.

No entanto, a produção industrial continua a ser um contribuinte fundamental para a economia e a cadeia de abastecimento continua a envolver ligações críticas com as importações e experiência estrangeira. Com possíveis interrupções nas cadeias de suprimentos globais e tecnologia estrangeira ou produtos essenciais menos acessíveis, os legisladores da China veem uma necessidade urgente de atualizar o setor manufatureiro do país, desenvolver uma cadeia de suprimentos de amplo espectro e alcançar a autossuficiência tecnológica.

 

Investidores Internacionais

Embora um desacoplamento financeiro forçado permaneça um risco de cauda, ​​acreditamos que a China irá acelerar a internacionalização do renminbi (RMB). Isso significa que sua intenção é mitigar potenciais interrupções nas transações internacionais e abrir ainda mais seus mercados financeiros para investidores estrangeiros.

Os investidores devem esperar alguma volatilidade do mercado durante este período de transição. Outro ponto é que também devem ser mais seletivos ao escolher em quais setores e classes de ativos investir.

A ênfase crescente da China no emprego de ferramentas de política monetária direcionadas reflete o alinhamento do banco central com a agenda de longo prazo do governo.

Política Monetária Estrutural Chinesa

A política monetária “estrutural” do Banco Popular da China (PBOC) é essencialmente um conjunto de políticas diferenciadas que visam otimizar a liquidez e a alocação de crédito, para apoiar setores-chave e elos fracos da economia.

O PBOC tomou medidas rápidas e preventivas de flexibilização monetária no início de 2020 em resposta a uma crise de saúde nacional sem precedentes, mas esperamos que a política monetária se torne mais equilibrada à medida que a economia se recupera.

Vemos esta abordagem de “irrigação de precisão” como caminhar na corda bamba entre apoiar o crescimento e manter a estabilidade financeira. Ou seja, o país enfrenta uma dívida interna elevada e uma vinculação macrofinanceira cada vez mais complicada, enquanto o espaço para estímulos monetários está diminuindo.

Os exemplos da política monetária estrutural do PBOC incluem uma estrutura de coeficiente de reserva obrigatória (RRR) direcionada e diferenciada e o uso de linhas de reempréstimo para apoiar pequenas e médias empresas (PMEs).

 

Tendência de Curto Prazo

Em nossa opinião, um corte nas taxas de curto prazo é improvável, dada a sólida recuperação da China. As condições de crédito acomodatícias, a emissão de títulos consideráveis ​​e a abordagem ativa do PBOC para a gestão de liquidez.

Esperamos que o banco central chinês continue a implementar políticas monetárias mais direcionadas. No caso, o foco seria em favor de empréstimos às PMEs e empréstimos de médio e longo prazo ao setor manufatureiro.

Caso ocorra uma recuperação econômica super-V em 2021, a prevenção de riscos recuperará o ímpeto. Provavelmente veríamos aperto de crédito e redução fiscal, mais restrições no mercado imobiliário e uma retomada da desalavancagem.

No entanto, a barreira para um aumento da taxa de juros será alta, dada a elevada dívida da economia e a ênfase do governo na manutenção da estabilidade financeira. A China tentará evitar um aperto excessivo, incentivando uma melhor coordenação entre os reguladores.

 

Tendência de Médio e Longo prazo

No médio a longo prazo, esperamos que a China se concentre em promover um crescimento de qualidade, bem como controlar o risco. A política monetária continuará a ser cuidadosamente calibrada, dependendo do crescimento, das reformas e do ambiente externo.

As ferramentas estruturais podem ser concebidas para apoiar as PME, a modernização industrial, o desenvolvimento tecnológico, o investimento eficaz, a urbanização e a proteção ambiental.

Com o quadro de crescimento da China tendo força cíclica relativa em relação a outros mercados importantes. Em suma, juntamente com uma política monetária sustentável que fornece um diferencial de taxa de juros positivo. Esperamos que a moeda chinesa continue sua tendência de valorização e atraia fluxos de portfólio.

 

Leia o relatório na íntegra e na versão em inglês logo abaixo:

https://blog.pimco.com/en/2020/10/assessing-chinas-structural-monetary-policy