Os ativos reais vêm sendo usados cada vez mais como opção de diversificação para a construção de um portfólio mais resiliente e resistente a crises e, por isso, muita gente procura por exemplos de ativos reais que se encaixem em seus objetivos. 

Neste artigo te ajudaremos nessa com exemplos de ativos reais, quais seus principais benefícios e para qual perfil de investidor são mais adequados.  

Por que diversificar com ativos reais? 

Antes de tudo, é importante ter bem claros os motivos pelos quais incluir os ativos reais em um portfólio pode representar uma excelente estratégia de diversificação. 

Por serem investimentos atrelados à economia real – ou seja, ao desenvolvimento de uma sociedade e sua capacidade de produção de riquezas – os ativos reais estão descorrelacionados da Bolsa e do mercado financeiro tradicional. 

Isso quer dizer que esses ativos não são afetados por quedas na Bolsa de Valores, crises econômicas ou qualquer outro imprevisto que afete consideravelmente o mercado. 

Assim, os ativos reais representam um alto poder de resiliência em momentos de crise, e incluí-los em seu portfólio pode ser uma excelente forma de proteger seus rendimentos. 

Exemplos de ativos reais para diversificar 

De maneira geral, toda a classe de ativos reais pode beneficiar um portfólio quando falamos de diversificação. 

Entretanto, existem alguns exemplos de ativos reais que podem representar uma super-diversificação, e é deles que iremos falar hoje. 

Separamos 3 exemplos de ativos reais com alto poder de diversificação para te ajudar nessa: 

  • Investimento em royalties musicais 

Parece alternativo demais para você? Talvez sim. Mas no mercado internacional, investir em música já é uma realidade bastante lucrativa. 

Trata-se de um investimento em propriedade intelectual, mais especificamente em royalties musicais. 

O investidor será o proprietário de uma parcela dos recebíveis de royalties de um determinado artista.

Dessa forma, quem receberá os valores pagos por execução pública ou em streaming, é o investidor. 

Em um momento em que os números de execução em streaming têm crescido cada vez mais, investir em música pode ser um negócio bastante lucrativo. 

BAIXE AGORA MESMO O E-BOOK GRATUITO “GUIA DO INVESTIMENTO EM MÚSICA” 

  • Investimento em incorporação imobiliária 

Muita gente já investe no mercado imobiliário no Brasil através de fundos ou compra direta do imóvel.  

Mas existe uma maneira muito mais rentável e que pode te ajudar a diversificar: a incorporação imobiliária. 

Trata-se do momento mais rentável do imóvel, antes mesmo do estande de vendas.

É o momento em que o incorporador colhe seus maiores lucros, e entrando em uma operação de incorporação imobiliária, você lucrará junto com ele. 

Tudo isso sem depender da boa vontade do gestor de um fundo ou sem precisar comprar um imóvel e arcar com todas as burocracias que envolvem esse processo. 

BAIXE AGORA MESMO O E-BOOK GRATUITO “GUIA DO CROWDFUNDING IMOBILIÁRIO”

  • Títulos públicos judiciais 

Popularmente conhecidos como precatórios, são o carro-chefe da Hurst 

Títulos públicos judiciais são ordens de pagamentos emitidas pelo Tribunal de Justiça que obrigam um órgão público ou governo ao pagamento de uma quantia em dinheiro a uma pessoa física ou jurídica. 

O investimento em títulos públicos judiciais acontece, normalmente, através da compra do título com deságio. 

Assim, o investidor se torna o “dono” daquele precatório e, quando o valor for pago, ele lucra com a diferença entre o valor da compra e o valor de face. 

Com o surgimento de empresas especializadas nesse tipo de negociação, o processo se tornou muito mais seguro e é possível comprar parcelas de um precatório maior. 

 Agora que você já está munido de alguns exemplos de ativos reais para diversificar sua carteira, chegou a hora de investir.