Ativos reais podem ajudá-lo a gerenciar a volatilidade vivida à medida que você persegue seus objetivos. No entanto, assim como todos os investimentos, cada um apresenta um risco diferente. E é sobre isso que iremos tratar neste artigo feito a partir do resumo com tradução livre do texto “what alternative investments are right for me?”

Para que servem os investimentos alternativos?

Com certeza você já ouviu isso antes: “a diversificação é a chave para gerenciar riscos”. Quando as ações caem, é provável que os títulos aumentem de preço. Então, possuir os dois pode ajudar a minimizar as perdas em um mercado em baixa. Mas, no atual ambiente volátil, essa regra não necessariamente protege o investidor das oscilações agressivas vistas desde o início da pandemia.

Muitas pessoas se perguntam: haveria mais alguma coisa que os investidores possam considerar para aumentar sua diversificação e de fato não sofrer tanto com a volatilidade?

“Alguns investimentos alternativos são isolados das altas e baixas do mercado. Outros aproveitam a volatilidade de maneiras específicas. ”aponta Sharul Sharma, chefe de estratégias de investimentos alternativos (CIO) do Escritório de Investimentos Merrill e do Bank of America Private Bank.

Embora possam não ser adequados para todos, “investimentos alternativos são estratégias que podem ajudar a complementar os investimentos tradicionais em ações e títulos”, ressalta Anshul.

“Eles tiram vantagem de técnicas como hedge, concentração de ativos e alavancagem de maneiras que aumentam a diversificação enquanto abordam objetivos específicos”.

Quando usar investimentos alternativos?

Investimentos alternativos são particularmente úteis durante mercados voláteis, observa Sharma.  Em primeiro lugar, diferentemente dos investimentos tradicionais, alguns ativos alternativos são isolados do ciclo comercial e dos altos e baixos do mercado. Em segundo lugar, outros aproveitam a volatilidade de maneiras específicas.

Embora todos apresentem riscos e custos (incluindo, muitas vezes, altos investimentos mínimos) e possam ser menos líquidos que os investimentos tradicionais.

Eles são cada vez mais vistos como uma adição valiosa a um portfólio verdadeiramente diversificado, com o potencial de ajudar a melhorar os retornos e a renda.

Veja abaixo, as três estratégias que Sharma destaca como investimentos alternativos para os investidores.

Hedge Funds: uma variedade de abordagens

Os gestores dos Hedge Funds se envolvem em uma ampla variedade de estratégias de negociação que geralmente não estão disponíveis para os gestores de ativos tradicionais.

Os fundos de ações de curto ou longo prazo, por exemplo, se posicionam para extrair ganhos de ações que podem ter um bom desempenho em dado período e ainda assim é possível que percam valor.

Os que são caracterizados como macro são projetados para se beneficiar de amplas tendências macroeconômicas. Já os fundos globais são direcionados a eventos e se concentram em reestruturações corporativas, fusões e aquisições.

Essas são estratégias sofisticadas e os gestores de Hedge Funds podem fazer negócios com frequência. Eles podem usar alavancagem, derivativos, vendas a descoberto e posições concentradas para atingir seus objetivos.

O risco deste tipo de estratégia é que os gestores também podem fornecer menos transparência aos investidores e cobrar taxas fixas mais altas. Então cabe estudar o seu gestor.

Benefícios potenciais para os investidores de Hedge Funds

A adição de Hedge Funds em uma carteira pode valer muito a pena e é necessário considerar. Isso porque eles podem ajudar a fornecer um amortecedor para desacelerações do mercado e ajudar na preservação do seu capital.

Embora as estratégias dos Hedge Funds também possam levar a perdas, o desempenho desses investimentos alternativos na última década sugere o quão resilientes podem ser. Durante cada uma das 10 maiores quedas do mercado desde 2011, os Hedge Funds mantiveram-se melhores do que as ações.

Veja como os Hedge Funds performaram nas 5 maiores quedas do mercado desde 2011 até 2020:

 

Private Equity: Compra e venda de empresas

Os fundos de Private Equity visam adquirir empresas privadas e algumas empresas públicas com o objetivo final de vendê-las com lucro substancial e devolver capital aos investidores.

Eles investem em empresas que podem se beneficiar de uma infusão de capital e mudanças nas estratégias de negócios. Depois, trabalham com elas para mudar o gerenciamento, reduzir custos, refinar as linhas de produtos ou entrar em novos mercados antes da venda.

O ponto de atenção deste tipo de investimento alternativo é que os investidores devem estar cientes de que, em alguns casos, eles podem ter que esperar até uma década antes de obter retorno. Dado que são um investimento de longo prazo, aqui o risco é de liquidez.

Os Potenciais benefícios para os investidores

Historicamente, o Private Equity supera os mercados públicos e também ajuda a gerenciar a volatilidade do portfólio.

“Alguns dos fundos de Private Equity com melhor desempenho são os que operam durante ou logo após as recessões”, diz Sharma.

Isso faz sentido porque deslocamentos e volatilidades do mercado podem criar pontos de entrada favoráveis. Grande parte das boas empresas à venda podem estar a um preço mais baixo, facilitando a aquisição.

Ativos reais: em uma categoria própria

Os ativos reais às vezes também conhecidos como “ativos tangíveis”, têm um valor intrínseco e geralmente uma forma física.

Eles cobrem uma ampla gama de investimentos, desde ouro e outros metais preciosos, como commodities e imóveis comerciais e residenciais, fundos de infraestrutura, terras agrícolas, recursos naturais, obras de arte, carros colecionáveis, selos e moedas antigas entre outros.

Esses ativos tendem a se comportar de maneira diferente das ações, dos títulos e até de outros investimentos alternativos.

Quando o assunto é risco esperado, alguns desses investimentos reais podem ser menos líquidos que os investimentos tradicionais e, assim como o Private Equity, podem exigir um horizonte de investimento de mais de uma década.

Potenciais benefícios para os investidores

A baixa correlação dos ativos reais com o desempenho dos investimentos tradicionais é uma das coisas que mais chama a atenção. Isso também os torna especialmente adequados para aumentar a diversificação.

Muitas vezes, esses ativos reais agregam valor quando os preços ao consumidor aumentam. Eles também podem fornecer um Hedge (proteção) contra a inflação.

“A grande maioria desses ativos não têm muita relação com o ciclo de negócios, e esse é o ponto que devemos observar “, ressalta Sharma.

 

 

Uma mistura de investimentos alternativos pode ser apropriada

Investimentos alternativos podem ser misturados, combinados e calibrados para perseguir objetivos específicos. Por exemplo, com as taxas de juros atualmente paradas próximas a mínimos históricos, investimentos alternativos defensivos podem usar estratégias de opções para fornecer uma melhor fonte de renda do que os títulos.

Diversificar estratégias alternativas, como uma macro-estratégia global, proporciona a geração de retornos que dependem menos da direção do mercado e podem ajudar a reduzir a volatilidade nas carteiras durante os deslocamentos.

Para investidores dispostos a aceitar os riscos comuns desta categoria de ativos, as de investimentos alternativos focadas no crescimento podem usar posições concentradas, alavancagem e outras abordagens que possam potencialmente gerar retornos totais atraentes.

“Esses três resultados – defesa, diversificação e crescimento – não são mutuamente exclusivos”, diz Sharma. “Eles podem ser usados ​​de maneira combinada dentro do seu portfólio, e a combinação certa dependerá de seus objetivos, tolerância a riscos, necessidades de liquidez e o tempo que você tiver para perseguir seus objetivos”.

Encontrar uma alocação certa em investimentos alternativos para você

Private Equity, imóveis e outras alternativas normalmente exigem um horizonte de investimento de mais de uma década. A ponderação de sua necessidade de liquidez e outras considerações pode ajudar você e seu consultor a determinar que tipo de alocação para investimentos alternativos você pode considerar.

Na maioria dos casos, você desejará diversificar não apenas em ações, títulos e investimentos alternativos, mas também dentro dessas classes de ativos, com uma ampla gama de estratégias de Hedge Funds, participações em private equity e principalmente em ativos reais.

Obviamente, mesmo a adição de investimentos alternativos não altera a necessidade de uma abordagem disciplinada ao investimento que pareça com as condições atuais do mercado.

“Lembrar por que você está investindo e mantendo uma alocação de ativos alinhada às suas metas é quase sempre o melhor caminho”, finaliza Sharma.

Nota do autor

Nem todos os investimentos alternativos são para um horizonte de dez anos ou mais. Existem oportunidade de médio prazo (aproximadamente três anos).

Aqui na Hurst Capital, criamos investimentos alternativos e principalmente, investimentos reais. Facilitando a aplicação por parte de investidores que não são enquadrados como profissionais ou qualificados, assim, desconstruímos a barreira de entrada nestas operações.

Sobre o retorno médio de cada aplicação, conseguimos originar ativos com rentabilidade aproximada de 20% ao ano. Isso é possível devido aos processos de criações dos investimentos que é realizado, em sua maioria, aqui mesmo pelos próprios profissionais altamente qualificados da Hurst.

Também escolhemos o escritório Machado Meyer, um dos maiores e mais relevantes do Estado de São Paulo, para realizar toda a análise de riscos jurídicos e a due diligence.

Para ler o texto original completo na versão em inglês, acesse:

https://www.ml.com/articles/what-alternative-investments-are-right-for-me.html