Diferente do que se pode imaginar, investir em ativos reais pode ser simples, rápido e menos burocrático do que os investimentos tradicionais, empacotados e oferecidos pelo seu banco ou corretora. 

Além disso, muita gente já investe em ativos reais mesmo sem saber!  

Isso porque esses ativos estão presentes no nosso dia-a-dia e fazem parte da economia real.

Ou seja, são tudo aquilo que gera retornos significativos para a sociedade e contribui para o aumento da capacidade de produção de riquezas. 

Um exemplo que sempre costumamos usar por aqui é o da construção de um prédio comercial. 

Independente de que forma você invista naquele imóvel, você estará contribuindo desde o início da construção do edifício, que irá gerar mais empregos na construção civil, até o momento em que as lojas e escritórios estiverem instalados no imóvel, girando a economia daquela região. 

Viu só como é simples? 

Maneiras de investir em ativos reais

Mas para além disso, existem outras formas de investir em ativos reais que podem te trazer rentabilidades ainda mais atrativas do que a renda fixa, mais segurança que a renda variável e diversificar ainda mais seu portfólio. 

O principal motivo disso tudo é porque os ativos reais estão descorrelacionados da Bolsa de Valores e do mercado de capitais e também não são considerados renda fixa.  

Isso quer dizer que esses ativos não sofrem interferências externas do mercado.

Se a Bolsa despencar em um próximo escândalo político ou a Selic cair ainda mais por alguma manobra do governo…

…os ativos reais continuam firmes e fortes e, em alguns casos, rendendo ainda mais! 

É por isso que costumamos dizer que essa é uma das classes de ativos mais resilientes do mercado, e escolha certeira para diversificação nas carteiras mais ricas do mundo. 

Com tudo isso em mente, vamos ao que realmente interessa: separamos para você 3 maneiras de investir em ativos reais que podem trazer ganhos e segurança para seu portfólio. 

1) Títulos públicos judiciais 

Os títulos públicos judiciais são popularmente conhecidos como precatórios. 

Você com certeza já ouviu falar deles, talvez até mesmo de uma forma pouco convidativa. 

Entretanto, quando falamos no investimento em títulos públicos judiciais, o foco é a compra com deságio de títulos de credores que não querem ou não podem esperar o pagamento, que pode demorar anos. 

A rentabilidade vem dessa diferença entre o valor da compra e o valor de face daquele precatório.  

Quando a dívida finalmente é paga pelo governo, o investidor é quem recebe. Para agilizar o processo, é possível investir em títulos que já estão próximos do pagamento ou em que foi realizado acordo. 

Aqui na Hurst trabalhamos na originação e estruturação de operações envolvendo esses títulos.

Todo o processo é realizado com base em uma rigorosa due diligence que investiga todos os aspectos do ativo, analisando e mitigando possíveis riscos. 

Dessa forma, o investidor fica muito mais protegido. 

2) Crowdfunding imobiliário 

crowdfunding imobiliário é uma forma de investir em ativos reais que tem se popularizado bastante no país. 

Isso porque, em alguns casos, tem se mostrado uma alternativa muito mais lucrativa e menos burocrática de investir em imóveis se comparada aos populares FIIs ou à compra do imóvel em si. 

No crowdfunding imobiliário, um grupo de investidores se une para financiar um empreendimento imobiliário, cada um deles comprando uma cota que irá lhe render lucros. 

Para além disso, existem muitas maneiras de investir nessa modalidade, e a que mais gostamos aqui na Hurst é investir em incorporações imobiliárias – o momento mais rentável do projeto, antes do estande de vendas. 

Você investe lado a lado com o incorporador, em um momento onde a maior parcela de lucro ainda está por vir.  

3) Propriedade intelectual 

De todas as três maneiras de investir em ativos reais que citamos, essa é a mais alternativa de todas.

Entretanto, ela tem se mostrado bastante lucrativa e com um potencial gigantesco de diversificação de portfólio. 

Essa modalidade de investimento chegou a pouco tempo no país, e temos orgulho em dizer que fomos os primeiros a possibilitar ao investidor a chance de investir em propriedade intelectual

Mais especificamente, em royalties musicais. 

Nesse tipo de operação, você lucra com uma carteira de obras e/ou fonogramas e recebe os royalties referentes a elas.  

O lucro pode vir da execução pública ou através de serviços de streaming como SpotifyDeezer e Apple Music. 

Preparamos um e-book sobre esse tipo de investimento, o GUIA COMPLETO DO INVESTIMENTO EM MÚSICA.

Nele, detalhamos dados do setor, funcionamento da indústria fonográfica e passo-a-passo sobre como investir. 

Você pode ter acesso a ele de forma 100% gratuita clicando AQUI. 

Onde investir em ativos reais? 

Essa é uma pergunta extremamente importante e que pode ser decisiva para que seu investimento seja feito com sucesso. 

Com a norma da Comissão de Valores Mobiliários que regulamentou a modalidade de crowdfunding de investimentos e a oferta pública de valores mobiliários no Brasil, muitas plataformas que oferecem esse tipo de investimento surgiram no mercado. 

Para escolher qual a melhor, é importante, primeiro de tudo, verificar seu registro junto à CVM. 

O próximo passo, então, é analisar com atenção as operações anteriores que já foram concluídas, depoimentos de outros investidores, se existe um processo de due diligence completo e a expertise dos profissionais envolvidos. 

Nós da Hurst Capital já originamos mais de R$400 milhões em operações com ativos reais para cerca de 3000 investidores em 10 países. 

Temos como principal objetivo universalizar o acesso a esse tipo de investimento, anteriormente disponível somente para ultra-ricos, e o fazemos através de tecnologia proprietária cortando todo tipo de intermediário e entregando produtos livres de conflitos de interesse. 

Quer saber mais? Acesse nossa página de operações e confira as oportunidades disponíveis.