A matéria realizada pela Money Week, site especializado em assuntos do mercado financeiro, fala como investir em ativos alternativos se tornou normal e levanta pontos interessantes para quem busca investir em ativos alternativos. Leia o resumo com tradução livre logo abaixo.

“Alternative assets are now mainstream – but should you buy in?”

Ativos alternativos tradicionalmente ajudam a diversificar o portfólio do investidor.

Considera-se amplamente que os fundos de investimento são para investir em ações listadas. No entanto, no início deste ano, “ativos alternativos” representavam 39% do setor de £ 165 bilhões. E a proporção continua a crescer de forma constante – o setor representou mais de 70% da emissão de ações em 2019.

Os alternativos podem ser de infraestrutura, propriedades, energia renovável, títulos, dívida e financiamento especializado, bem como private equity e fundos de hedge.

Espera-se que eles produzam retornos muito diferentes dos obtidos com ações listadas e, assim, ajudem a diversificar um portfólio (daí o rótulo “alternativas”).

Eles investem principalmente em ativos não listados ou altamente líquidos – que geralmente geram muito dinheiro.

A crescente demanda por ativos alternativos

Mas a pergunta é, como investir em ativos alternativos se tornou normal?

A razão para o aumento do interesse em fundos “alternativos” é o declínio do modelo de investimento de fundos equilibrados. Isso buscou equilibrar os retornos altos, mas voláteis, das ações com títulos de baixo risco para obter retornos gerais mais constantes.

No entanto, como os rendimentos dos títulos do governo caíram para níveis que são, na melhor das hipóteses, muito baixos e cada vez mais negativos, os títulos passaram a representar o que o guru do investimento James Grant descreve como “risco sem retorno”.

Além disso, a correlação inversa de seu desempenho com as ações não podia mais ser invocada – daí a busca por uma classe de ativos que proporcionasse diversificação, retornos reais positivos (isto é, após a inflação) e renda, para complementar as ações orientadas para o crescimento do rendimento.

Os investidores precisam escolher com cuidado, baseando suas análises principalmente em entender de onde vêm os retornos e quão arriscados são.

Fundos de Hedge e Private Equity

Este grupo surgiu há cerca de 20 anos e se expandiu rapidamente após o mercado baixista de 2000-2003, que a maioria dos fundos de hedge acabou se saindo muito melhor do que os fundos de ações.

Vários gestores procuraram fazer com que seus fundos, anteriormente disponíveis apenas para os mais ricos, fossem abertos a investidores comuns. O que de fato só aconteceu recentemente.

Investindo em infraestrutura

Os fundos de infraestrutura foram lançados há quase 15 anos, inicialmente para investir em projetos de PFI (Private Finance Initiative), principalmente no Reino Unido. O setor tem sido um emissor regular de ações e teve um bom desempenho, apesar de um soluço no período que antecedeu a última eleição.

Como os fundos investem na parcela patrimonial de projetos frequentemente altamente alavancados, existe, em teoria, um risco considerável, mas a boa administração garantiu retornos anuais consistentes de 8,8% ou mais, financiando um rendimento médio de 5,1%.

Os retornos no setor de energia renovável de £ 8 bilhões nos últimos três anos foram quase tão bons e rendem um pouco mais, contanto, os retornos são afetados pela baixa na energia, que deve voltar a equilibrar-se.

Fundos de títulos e dívida

Os títulos e os fundos de dívida representam 6,7 bilhões de libras em valor de mercado, mas os fundos são mais numerosos e, em média, relativamente pequenos. Cinco fundos cortaram recentemente seus dividendos, os investidores suspeitam que haverá mais cortes.

O gestor precisa investir no equivalente a títulos não desejados; ou alavancar retornos mais baixos com dívida barata, o que aumentará o risco aumentando as oscilações da avaliação devido à falta de liquidez ou a natureza especializada da classe de ativos.

Investir em imóveis

Finalmente, as alternativas incluem o setor de fundos imobiliários de £ 14 bilhões. Esses fundos investem em propriedades de maior rendimento, muitas vezes alavancadas por dívida, para dar aos investidores um rendimento geralmente na faixa de 4-6%.

As propriedades pertencentes geralmente são alugadas em arrendamentos longos, mas muitas vezes há oportunidades de agregar valor a partir de modificações, alterações nos inquilinos e aumentos de aluguel quando os prazos do arrendamento expirarem.

 

Nota do autor

Inúmeros são os pontos que devem ser observados ao escolher ativos alternativos para compor o seu portfólio. Não há dúvidas que, assim como na crise de 2008, nesta também estão sobressaindo modalidades diferentes para se investir e conseguir sobreviver ao mercado. Investir em ativos alternativos se tornou normal e em caso de duvidas, você pode contatar o nosso time de especialistas agendando um telefonema na nossa página inicial.

Para ler a matéria na íntegra, acesse:

httbuyps://moneyweek.com/investments/funds/investment-trusts/601278/alternative-assets-are-now-mainstream-but-should-you-