A primeira criptomoeda do mercado foi o Bitcoin, criado no final de 2008 em resposta à crise mundial financeira que aconteceu naquele ano. Desde então, muitas outras moedas digitais foram criadas e o investimento em criptomoeda se consolidou pelo mundo. 

No caso do Brasil, os ativos desse tipo também passaram a chamar a atenção dos investidores. Por isso, vale a pena entender como o setor se desenvolveu no país e quais podem ser as alternativas para investir nesse mercado. 

Na sequência, veja a situação do mercado de criptomoedas no Brasil e confira como realizar o investimento nesse segmento! 

Como funciona o mercado de criptomoedas? 

O mercado de criptomoedas é formado por ativos digitais que funcionam com o apoio de uma estrutura criptografada e anônima. Elas também são chamadas de moedas digitais e funcionam como códigos virtuais, já que não existem fisicamente. 

Geralmente, as criptomoedas funcionam com base no blockchain ou em estruturas derivadas dele. Nesse sentido, as operações são validadas pelos próprios participantes da rede. 

Isso é possível porque cada transação é identificada por um código criptografado. Na prática, são os mineradores que criam essas chaves, sendo eles usuários da rede que se responsabilizam pela validação das operações. 

No caso do blockchain, as transações são registradas em blocos. Cada um deles tem um código único (hash). Ainda, o bloco carrega o próprio hash e a informação referente ao bloco anterior. Isso cria uma corrente que torna o sistema praticamente inviolável, já que a alteração em um grupo exigiria a alteração de todos os outros.  

Como a validação é feita pela própria rede, o mercado de criptomoedas é considerado descentralizado. Desse modo, não é preciso que haja uma instituição centralizadora, como um banco central. 

Quais as principais características desse mercado no Brasil?  

Ao observar o mercado de criptomoedas no Brasil, você notará um desenvolvimento bastante acelerado — em especial, nos últimos anos. 

Segundo dados da Receita Federal, havia cerca de 425 mil investidores de criptomoedas no Brasil. Os números fazem referência aos contribuintes que declararam os ativos ou de acordo com as informações coletadas por instituições financeiras. 

Em setembro de 2022, o número saltou para quase 1,5 milhão, o que representa um aumento de 300% em apenas 12 meses.  

Os números, entretanto, tendem a ser ainda mais elevados.  De acordo com a Forbes, cerca de 5% da população brasileira já investe em cripto em 2022, o que significa mais de 10 milhões de pessoas que fazem ou fizeram algum aporte nesse mercado.  

Além disso, a captação total foi de mais de R$ 100 milhões no Brasil — um aumento de 400% em relação a 2020. Devido a esses dados, conforme o estudo “2022 Global Cryptocurrency Adoption Index”, o Brasil era o 7º maior mercado de criptomoedas do mundo e o maior da América Latina.  

O que explica o aquecimento desse mercado no Brasil? 

Depois de compreender a situação do mercado de criptomoedas no Brasil, vale a pena entender quais são as razões que levam a esse cenário. Uma das principais justificativas é o potencial de retorno que as criptomoedas oferecem. 

Ao analisar o desempenho do Bitcoin desde a sua criação, você perceberá que essa criptomoeda acumula uma valorização de mais de 7.000%, até novembro de 2022. 

Com o crescimento do interesse sobre o assunto e o aumento da popularização e do uso das criptomoedas, pode haver uma ampliação no volume negociado, elevando o preço dessa moeda digital. Sendo assim, muitas pessoas são atraídas pelo potencial de retorno dos ativos digitais. 

Vale considerar que, especialmente na América Latina, as criptomoedas podem ser vistas como um tipo de hedge financeiro. Ao comparar o período de 5 anos, o real se desvalorizou 38% em relação ao dólar. No mesmo período, o bitcoin valorizou 6%, considerando o patamar de novembro de 2022. 

Considerando as instabilidades políticas e financeiras no Brasil e o fato de as moedas digitais serem negociadas globalmente, esses criptoativos passaram a ser usados com mais frequência. 

Ademais, as moedas digitais são descorrelacionadas do mercado convencional. Isso significa que o resultado delas não depende do desempenho da bolsa de valores ou da definição da taxa básica de juros, por exemplo. 

Por causa disso, é possível se proteger dos riscos internos da situação política e financeira do país. Ainda, investir nessas moedas pode ser uma forma de consolidar ganhos mais elevados. 

Como investir nesse mercado? 

Se você tem interesse no mercado de criptomoedas, é o momento de saber como investir. Para isso, vale pensar, primeiramente, no seu perfil de investidor e nos seus objetivos financeiros. 

Veja se você tem tolerância ao risco para se expor a esse mercado e avalie os prazos dos seus objetivos. Para diminuir parcialmente os impactos da volatilidade, pode ser interessante priorizar o médio e o longo prazo, embora elas também possam ser usadas para especulação.  

Em seguida, é preciso buscar a alternativa mais adequada para a sua carteira. Investir em criptomoedas diretamente é uma opção, mas pode não ser a possibilidade mais interessante. 

Afinal, você precisará avaliar em quais criptomoedas vale a pena investir e terá que compor a própria carteira. No final, isso pode aumentar os custos e os riscos, já que é preciso ter bastante conhecimento. 

Outra possibilidade é investir em ativos reais, por meio de uma plataforma como a Hurst Capital. Como exemplo, considere a Operação DeFi Basket VIII – ATH – #18/2022. Nesse caso, você poderá se expor a uma cesta de criptoativos baseada em finanças descentralizadas. 

Após a captação de recursos, a Hurst buscará vender os ativos quando eles atingirem o preço máximo em seu histórico (o chamado all time high). Assim, você obterá lucros proporcionais à sua participação. 

Nesse tipo de investimento, também há a vantagem de poder comprar tokens. Dessa maneira, você investe o valor que desejar e tem acesso ao resultado de toda a cesta de ativos. Além disso, há como vender o token pela plataforma, de modo a aumentar a liquidez. 

Conclusão 

Neste artigo, você conferiu detalhes sobre o mercado de criptomoedas no Brasil e como investir nele. Se esse tipo de oportunidade fizer sentido para você, é possível aproveitar essas alternativas para compor a sua carteira. 

Essas informações foram úteis para você? Se quiser investir em criptomoedas e outros ativos, conheça as oportunidades disponíveis na Hurst Capital!